domingo, 28 de setembro de 2014

(off) Campanha

Pedrinho ainda não vota, é claro, mas se votasse um dos candidatos sem chance na atual campanha eleitoral ao governo estadual teria sua preferência. Sim, quando meu netinho dá um tempo na assistência aos desenhos animados e vem para a sala, onde a programação da TV aberta predomina, ele repara nos flashes da propaganda política obrigatória e quando vê a imagem de seu "candidato" a expressão dele é esta, invariavelmente:
- Eu adoro esse Da Luz!

sábado, 27 de setembro de 2014

(off) No banho

Gosto de tomar banho frio e prefiro o chuveiro do banheiro dos fundos que é onde a água jorra mais abundantemente. Essa tradição faz com que as pessoas daqui de casa pensem e digam que esse banheiro é meu. Os meninos, Pedro e Laura, também seguem a onda. Ontem, quando Pedro precisou usar o sanitário, o costume o levou ao banheiro social. Mas Laurinha "sentiu vontade" no mesmo instante e por isso a levei ao "meu" banheiro e esperei que ela terminasse. Naquele momento, contudo, ela frisou minha propriedade e lembrou que uma vez eu dei banho nela e no irmão ali, aproveitando para me refrescar também. A memória da menina é prodigiosa e ela se lembrou de que na ocasião daquele banho eu me mantive vestido numa cueca e por isso me perguntou:
- Vovô, por que você não tirou a cueca?
Respondi-lhe que foi para evitar constrangimentos e não sei se ela entendeu, mas o comentário dela não só me fez acreditar nisso como provocou-me uma gostosa gargalhada:
- Eu não ia rir!

(off) Campanha

Pedrinho ainda não vota, é claro, mas se votasse um dos candidatos sem chance na atual campanha eleitoral ao governo estadual teria sua preferência. Sim, quando meu netinho dá um tempo na assistência aos desenhos animados e vem para a sala, onde a programação da TV aberta predomina, ele repara nos flashes da propaganda política obrigatória e quando vê a imagem de seu "candidato" a expressão dele é esta, invariavelmente:
- Eu adoro esse Da Luz!

(off) Parecenças

A foto é de meu filho, Caio, tirada quando ele deveria ter cinco ou seis anos, por aí. Mostrei-a ontem à noite a Pedro e perguntei a meu neto quem era o retratado e ele respondeu:
- Sou eu.
Fiz o mesmo com Laurinha e a resposta não demorou:
- É meu irmão!
Sim, há uma semelhança muito grande entre Caio e Pedro, como há também entre Laura e Ananda, minha filha caçula, demonstrando que o sangue dos Muniz corre nas veias infantis...


sexta-feira, 26 de setembro de 2014

(off) Velinhas na escola

Hoje foi a vez de Pedrinho festejar seu sexto aniversário junto a seus coleguinhas da turma da Professora Ray. O tema foi novamente a adolescências de certas tartarugas mutantes da TV que encantam meu netinho por serem ninjas. Assim, Mamãe Sal levou um bolo, docinhos e aquilo que fez a cabeça dos colegas de Pepeu: máscaras coloridas das tais tartarugas. Laurinha, da turma vizinha, também compaeceu à festinha, por ser irmã do aniversariante. Vovó Bia fez as fotos. Depois dos comes e bebes na sala de aula, todos foram para o parquinho da escola, onde Pedro recebeu os abraços e as lembrancinhas que lhe ofertaram. Feliz com seu pimpolho, Mamãe Sal comentou com ele:
- Você gosta que seus coleguinhas lhe abracem, não é filho?
Claro que Pedro assentiu:
- Sim, e de eles dizerem "parabéns, parabéns"!

(off) Amor, carinho e proteção

Jamais duvidei do amor que Laurinha sente por este avô, marcado ainda por um forte apego próprio das crianças, digo, das criaturas ainda na infância, seja esta biológica ou mesmo psicológica. E uma prova desse carinho especial que minha netinha me dedica ela deu-me logo após o almoço, quando ela e Pedrinho estavam entretidos vendo TV. Quando me aproximei deles, Pedro levantou-se e, armado com uma clava de brinquedo que buzina quando pressionada, encheu-me de inofensivas bordoadas nas costas. Nisso, Laurinha toma minha defesa, gritando para o irmão:
- Não, não bata no Vovô, ele é velho!
E o velhinho aqui morreu de rir!...

terça-feira, 23 de setembro de 2014

(off) Identidade

Na manhã desta terça-feira Pedro e Laura entraram aqui em casa com os livros que Mamãe Sal comprou para eles ontem à noite. Pedro, que ama a leitura, adorou o seu, um exemplar da série "O que não faz parte do meu mundo", na qual o autor explora vários defeitos característicos da personalidade em formação. O que coube ao meu netinho era o da mentira, mas Pedrinho manifestou uma preocupação:
- Vovô Chico, você acha que eu minto muito?
Em resposta, eu disse a ele que todo mundo mente um pouquinho e que o importante é não mentirmos o tempo todo.
Mas Laurinha não gostou nadinha do livro que Sal lhe deu, também da mesma série que o do irmão, mas abordando a teimosia. Ela ainda não sabe ler, mas quando soube qual era o título, jogou o livro no chão e o pisoteou, para dizer que não é teimosa coisa nenhuma, apenas uma menina birrenta...

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

(off) Beijinho

Depois que chegou da escola, ainda há pouco, Laurinha já encontrou o Papai Alexandre em casa. Ela é sempre a última a voltar porque tem aula de balé. Pois bem: assim que a menina livrou-se das roupas e aliviou-se no sanitário, o pai fez-lhe uma exigência, reclamando que pela manhã, ao despertarem, ela não quis dar-lhe o beijo de bom dia. Laura, inicialmente, mostrou-se refratária, embora não houvesse motivo algum para isso, mas depois consentiu em atender ao apelo paterno. Mas para isso a menina pediu uma indicação:
- É na careca ou na bochecha?
Alexandre apresenta-lhe o rosto com barba por fazer e Laurinha beija-o. No entanto, como se falasse com uma criança mimada que tivesse sua vontade satisfeita, ela pergunta ao pai, provocando-me risos:
- Você está bem?

(off) Irmandade

Tenho algum trabalho em meio à diversão que é conviver com Pedro e Laura. Hoje, mais uma vez tive de ficar cuidando deles, em razão da saída dos pais e da avó, para atenderem a interesses próprios. A tarde, assim, transcorreu em meio a risos e choro, este último pertinente a Laurinha, "podre de dengo", como diz a tia Nanda. Por várias vezes ela chorou e a última foi quando Pedro apareceu no quarto com uma garrafa com água e a menina quis sorver um pouco do líquido. Mas como eles gostam de provocações mútuas, meu neto correu para a sala sem atender à petição da irmã, que correu até ele e ambos pararam no sofá. Aos prantos, Laura exigia a garrafa que Pedrinho mais que depressa deixou sobre o encosto e disparou de volta ao quarto. A menina, ainda chorando, pega a garrafa, toma um gole e entre soluços acusa:
- Ele é um mau irmão!

domingo, 14 de setembro de 2014

(off) A festa

Ontem à noite, Pedro e Laura chegaram cansados - como de resto todos nós -, depois de agitarem bastante na festinha que demos para comemorar a passagem do sexto aniversário de Pedrinho. Além de exaustos, vieram com outra cor, tendo os pés e parte da roupa pretos do pó do chão e da cama elástica onde se esbaldaram a valer ao lado dos amiguinhos e dos primos - dentre estes, até mesmo a priminha Helena, o bebê da tia Monique Esperidião, junto com Rebeca, e o trio da tia Brisa: Jaime Jr., Thor e Théo, estiveram presença. Assim, tão logo tomaram banho e a vitamina, desmaiaram nos braços de Morfeu.
Durante a festa, contudo, nosso menino não esqueceu quem era e manteve seu comportamento habitual, isto é, manteve sua pureza de coração e a inocência característica das crianças. Vi isso quando, por exemplo, um dos primeiros amiguinhos a chegar ao amplo playground do edifício onde moram os pais do dindo Gabriel entregou a Pedro seu presentinho, meu neto abriu o embrulho colorido e deu de cara com um velho conhecido, não pensou duas vezes e gritou para o amigo que subia para o pula-pula:
- Ei, eu já tenho este quebra-cabeças!

(off) Problema

Pedrinho, já há algum tempo, costuma chegar descalço aqui em casa toda manhã, embora fardado para a jornada escolar. Hoje, quando ele despontou à minha vista, eu fazia a vitamina dele e de Laura e não foi difícil observar os pés desataviados. Eu não disse nada na hora, mas depois que os dois terminaram de tomar a vitamina interroguei o menino:
- Onde estão suas sandálias, Pedro?
Ele levantou-se e começou a fuçar os cantos, em busca do calçados, mas antes fez este desabaafo:
- Este é meu problema!

(off) Aniversário

No retorno dos meninos da escola é que ficamos sabendo de algumas gracinhas deles. Tia Marilene, a "mulher do transporte", contou a Mamãe Sal o diálogo estabelecido com Pedro e Laura esta manhã. Sabedora de que ontem tinha sido a data do aniversário de nosso menininho e que a família havia saído para comemorar a efeméride, ela o questionou:
- Como foi seu aniversário ontem, Pedrinho?
O menino não se fez de rogado e respondeu:
- Foi muito legal! Teve bolo, doces, refrigerante...
Nisso, ouvindo o irmão, Laurinha intrometeu-se na conversa:
- Pupuzinho, não teve nada disso!
Mas Pedro não se dá por achado e dispara:
- Eu sei, Laura, só estou querendo impressioná-la!

(off) Viva Pepeu!

Faço hoje o que deveria ter feito ontem, que é registrar aqui mais um aniversário de meu primeiro neto, o Sr. Pedro Lucas, que há seis anos persiste em sua tentativa de me fazer amar mais e melhor, um aprendizado que só me fará crescer. Louvado Pedrinho, que veio reforçar minha certeza acerca da reencarnação, demonstrando ser alguém muito querido que retorna para a convivência familiar, em novo aprendizado de amor!
Ontem, 10 de setembro, dia em que ele completou seu sexto aniversário, fomos todos comemorar com um almoço no shopping, algo de que ele gosta muito. Claro que Laurinha estava junto e, ciumenta como só elazinha, manteve-se aborrecida, vendo que as atenções resumiam-se ao irmão. Mas quisemos saber por que a menina estava chateada e Laura foi sincera:
- Eu quero fazer aniversário também!
Mamãe Sal esclareceu que nesse dia a festa era de Pedro, mas que logo, logo seria a vez dela, pois o mês de dezembro vem aí. Mas Laura obtemperou:
- Mas vai demorar muito!

***

Além de nós mesmos, outros familiares quiseram festejar a efeméride e, dentre outros, tia Carolina telefonou para cumprimentar Pedrinho. Carol disse também que no sábado, quando as Tartarugas Mutantes Ninjas Adolescentes soprarão as seis velinhas e cortarão o bolo para Pedro, trará um presente para ele. Meu neto exultou:
- Um bem grande?
Carol não deu importância à pergunta do menino, mas ponderou:
- Posso levar um presente para Laurinha também, para ela não ficar com ciúme?
Pedro assentiu, mas impôs uma condição:
- Mas o dela tem que ser pequeno!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

(off) A cavalo

As crianças, Pedro e Laura, foram hoje a Feira de Santana, junto com os pais, Sal e Alexandre. Só voltaram à noite, extenuados. Agora já devem estar dormindo, depois do banho revigorante e da vitamina reenergizante. Mas enquanto eles curtiam um pouco de Bob Esponja na TV, esperando por Sal e Alex, que tinham ido levar meus cunhados ao hotel onde se hospedam, Vovó Bia me contou a grande notícia do dia. Disse-me ela, devidamente informada por Sal, que à tarde vovó Mara, estando a sós com Pedrinho e Laura, banhou os dois e primeiro arrumou o menino, deixando-o no quarto e pedindo que ali ele ficasse enquanto ajeitava a irmã. Poucos minutos depois, Mara vai até o quarto e não vê Pedro. Procura-o nos outros cômodos e nenhum sinal delezinho. De repente, ela tem uma intuição e vai até o portão de entrada e ao olhar na avenida divisa Pedro. Claro que ela correu para recambiá-lo, pois o menino havia atravessado as duas pistas da movimentada Avenida Maria Quitéria, montado num cavalinho de pau.
Depois que os pais chegaram e souberam do ocorrido, inquiriram o menino para saberem o que o levou a tomar tão perigosa atitude e Pedrinho informou:
- A ideia foi de vovô Cesinha.
Vovô Cesinha é o marido de tia Gal, irmã de vovó Mara, e foi conversando com ele que meu netinho revelou querer voltar para Salvador.
- Como você vai para Salvador? - quis saber César.
- Deixe de ser bobo que andando você não chega lá. Você tem de ir de avião ou de cavalo!
E foi assim que Pedrinho fugiu de casa...