segunda-feira, 14 de maio de 2018

(off) "Eu quero a tia Manu!"

Nesse dia 13 de maio, quando se comemorou mais um Dia das Mães, as mulheres daqui de casa - Vovó Bia e suas filhas, Mamãe/Tia Sal e Mamãe Ananda - levaram as crianças - Pedro, Laura e Ulisses ao Teatro Castro Alves, para uma das atrações populares realizadas nas manhãs de domingo. Ora, Ulisses já conhecia o local, pois fora levado até lá, anteriormente, por sua mãe que é fã e amiga da cantora Manuela Rodrigues. Devo dizer que meu neto curtiu muito essa apresentação musical que certamente ficou gravada em sua cabecinha, tanto que, indo ver a atração de ontem com seus primos - a youtuber baiana Tia Má - o menino entendeu que o TCA era a "casa" da tia Manu e a toda hora queria saber de sua mãe:
- Cadê a tia Manu? Eu quero ouvir tia Manu!


domingo, 29 de abril de 2018

(off) Um ano depois

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e pessoas dormindo

No dia 28 de abril de 2017 - há apenas um ano! - eu escrevia aqui que meu neto Ulisses, primo de Laura e Pedro, não queria conta com o verbo, porquanto ainda não falava nem mesmo as prosaicas palavrinhas "mamãe" ou "papai". Pois bem, como tudo muda, hoje meu garoto é um falador de primeira e na escola sua professora observa esse fato com uma colega, conversa essa que eu tive a prazerosa oportunidade de ouvir. Dizia ela que Ulisses não cala a boa e por isso um dia ela pediu que meu neto fizesse a chamada na classe, e meu netinho não se fez de rogado. Assumindo a postura compatível com a função, ele gritou para a turminha:
- Miguel tá aí? Miguel já chegou?

segunda-feira, 16 de abril de 2018

(off) Amor

Temos tido dias ricos em gracejos por parte de meu neto Ulisses, muitos dos quais este avô não foi testemunha. Um deles, que passo a relatar aqui, foi protagonizado junto a minha filha Sal, que não raro ocupa a função de babá de nosso menininho. Assim numa dessas tardes em que Tia Sal lhe dava um banho, após o almoço e antes da sesta habitual, Ulisses quis saber das preferências sentimentais de minha filha:
- Tia Sal, você ama?
- Sim eu amo você, Pupu e Aiaia - os dois últimos são Pedro e Laura, tratados assim familiarmente desde que Laurinha começou a pronunciar assim tão logo aprendeu a falar.
A essa resposta, Ulisses reagiu misteriosamente, dizendo:
- Um adulto e dois bebês.
Sal estranhou essa colocação e quis saber quem era o adulto e quais seriam os bebês. Meu neto não se fez de rogado e sua resposta fez Sal gargalhar:
- Você, eu e Pupu!
Notanto que o menino esquecia alguém, Sal voltou à carga:
- E Laura?
Mas Ulisses já tinha uma definição toda própria e o que ele disse fez minha filha gargalhar mais ainda:
- Aiaia é menina!

sexta-feira, 13 de abril de 2018

(off) Mais uma de Ulisses

Meu netinho está na fase de fazer perguntas, mas com ele não tem essa de por que isso, por que aquilo. Não, o que ele quer saber é o nome das coisas e quem pertencem. Assim, este avô e sua Tia Sal são bombardeados continuamente pelos questionamentos de Ulisses. Ontem, na casa de minha filha, o menino iniciou o inventário do que via na sala e perguntava:
- Tia Sal, de quem é isso?
E Sal respondia explicando ser ela a proprietária. Mas Ulisses não parava de indagar e por isso Sal impacientou-se e decidiu pôr fim ao interrogatório:
- Olhe, tudo que está em minha casa é meu, ouviu? Eu sou a dona de tudo.
Meu neto, contudo, não se intimidou e bradou com sua vozinha infantil:
- É de Ulisses também!
Sal teve de assentir e rindo disse que antes dele havia Pedro e Laura.
Comigo, a lição engraçada aconteceu numa manhã em que eu o levava até a escola. Curioso, meu garoto reparava nos detalhes do caminho e me questionava. Em certo momento, eu me distraí e o ouvi comentar sobre um tufo de capim:
- É grama.
Dou mais dois passos e então ele me pergunta:
- O que é isso?
Funcionando no automático, recordo do que ouvi anteriormente e declaro:
- É grama.
Que nada! O menino tinha visto o resultado da passagem de algum cachorro e me corrige:
- Não, é "totô"!


sexta-feira, 30 de março de 2018

(off) Cadê?

Atualmente, todo aluno que se preza vai para a escola munido de uma mochila, geralmente decorada com imagens ao gosto de meninas e meninos. Para elas, ainda na fase infantil, os motivos vão da gatinha Hello Kitty até a boneca Barbie, passando pela turma da Moranguinho e do Pequeno Pônei. Para eles, a onda são os super heróis da Marvel e da DC ou de desenhos animados. Como Pedro e Laura já estão na fase pré adolescente, as respectivas mochilas só se destacam pela cor. A de Ulisses, contudo, traz uma vistosa cena do filme Toy Story contemplando a figura do astronauta Buzz Lightyear. Meu netinho adora sua mochila e parece achar que esse utensílio é sinônimo de vida escolar, porque ontem à tarde, ao ver que eu me arrumava para sair e dizer-lhe que ia estudar (no Centro Espírita), Ulisses me questionou:
- Cadê sua mochila?

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, criança e atividades ao ar livre

(off) Hino

Ontem, numa conversa com a Vovó Bia, Pedro, o primeiro neto, declarou ter recebido um elogio de sua professora. A conversa começou por conta do comportamento do menino, ainda dispersivo, no ambiente escolar. Mas demos corda a ele e perguntamos o motivo do elogio:
- É que eu sei cantar o hino todo - disse Pedrinho, passando a entoar nosso Hino Nacional Brasileiro.
Nós também o elogiamos pela boa memória e meu neto, humildemente, justificou-se:
- Eu sei esse hino desde que estava no segundo ano!
Nós é que não sabíamos que ele sabia...

(off) Ulissianas

1
Como a semana foi dedicada às comemorações pascais, na escola de Ulisses quem reinou foi o coelho e por isso meu netinho voltou para casa devidamente caracterizado. Por arte da Profa. Karen, o rosto do menino estava decorado com pancake - deu trabalho lavar a tinta oleosa -, tornando-o o coelhinho mais lindo do mundo. Assim, foi curtindo o espetáculo que junto a ele tomei o rumo de casa, para almoçarmos. No caminho eu quis saber de Ulisses sobre o apetite do coelho e perguntei se ele iria almoçar cenouras. Eis a resposta que ouvi:
- É ovo de páscoa!


2
À noite, após passar a tarde inteira (a segunda metade, claro, pois após o almoço Ulisses sempre tira a sesta com Tia Sal) nos divertindo com suas peraltices, chegou a Mamãe Ananda para recambiar o menino para casa, que mora beeem longe daqui e por isso vamos andando. Chegando perto do portão do edifício, meu neto olha para cima e aponta para a placa que identifica o prédio, batizado de Bunganvília:
- Aqui é minha casa. Está escrito: "Ulisses"!