terça-feira, 3 de julho de 2018

Galeria

Todo gato, pronto para me divertir com a turma!

Vovó Bia diz que eu me pareço com o Chico Bento.

Entre a Mamãe e a vovó Angélica, quando cantaram parabéns pra mim.

Aqui é a vovó Carmem que me faz denguinho, no dia da festa pelo meu aniversário.

Meu primo Pedro tem dois álbuns da Copa do Mundo!

Minha prima Aiaia é muito engraçada.

Todo sério com a Mamãe e o Papai.

Eu adoro a Tia Sal e gosto da minha amiga Liz.

Estou torcendo pela Seleção Brasileira!

Estes são meus avós Gustavo e Lea, pais de meu Papai.

Eu me divirto muito com meu Dindo Caio.

sábado, 23 de junho de 2018

(off) Assim é melhor

Ulisses ainda não foi desfraldado completamente, embora já aceite usar cuequinhas. No entanto, só para fazer xixi é que ele consente em visitar o vaso sanitário - aliás, para isso seus pais tiveram a ótima ideia de instalar um mictório especial para ele no banheiro, especificamente para crianças nessa fase, que ele vê como um brinquedo, porque esse aparelho, de plástico, tem a aparência estilizada de um sapo. Já para fazer o "número dois" é do jeito antigo mesmo, isto é, na fralda. E quando ele sente a vontade exige logo o recurso com o qual está acostumado. Mas o quero dizer mesmo é que num desses dias em que ele estava na casa da Tia Sal, usando a fralda com que veio da escola, meu neto envolveu-se tanto nas brincadeiras com Liz e com a prima Laura que quando minha filha percebeu que a fralda estava cheia - felizmente, era só o "número um" -, a urina já escorria pelas pernas de Ulisses e ela rapidamente o levou ao sanitário, passando-lhe um "sabão" por não ter feito o pedido. Sal aproveitou e deu um banho em meu neto e, envolvendo-o numa toalha, deixou-o sentado no sofá para ir buscar-lhe novas roupas, revelando sua irritação. Quando ela voltou, meu menino estendeu as mãozinhas e tocou carinhosamente as bochechas da tia, agora já mais calma, e exclamou, com graça:
- Você fica "bom" assim!
Sal se desarmou num sorriso e encheu-o de beijos.


(off) Musicalmente

Quando Pedrinho era pouco mais que um bebê, era comum ele enrolar a língua e dizer que estava cantando em inglês. Laurinha não se arriscou tanto e simplesmente gostava de cantar em português mesmo. Mas Ulisses, ah!, este meu neto demonstra um talento único. Eu, como avô coruja, já alardeei aqui que ele descobriu em si mesmo uma, mais que predileção, uma verdadeira identificação com a música dos Beatles. Antes, ele apenas curtia ouvir os Fab Four na TV (no aparelho de sua casa é possível acessar a internet e assim ele, fazendo seus pais satisfazerem sua vontade, pode assistir as performances de John, Paul, George e Ringo sempre que quiser), mas agora o mocinho até mesmo cantarola algumas das músicas que viraram sucesso. Outro dia, na casa de Tia Sal, brincando com a prima Aiaia e com a amiguinha Liz, o menino entoava o refrão da bela e cativante "Yellow submarine" de um jeito todo próprio, assim:
- E aí o elo submarino...
E a gente já se diverte com isso.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

(off) Três vezes Ulisses


Nove meses antes de três anos atrás, isto é, quando sua vinda ao mundo fora anunciada, Ulisses, que ainda não tinha, mas tinha esse nome, logo pôs no lugar, em seu lugar, os sentimentos de avós, pais e tios - e primos, por que não? Sim, ele veio para reafirmar, reforçar os laços de afeto e agora não há que não diga, não demonstre um tiquinho assim de amor por essa criaturinha que nasceu sob o signo da superação, da simpatia, do amor que não cede à indiferença. Nosso/meu pequeno grande herói chegou chegando, como dizem os que querem enfatizar a chegada em grande estilo. Preocupou, sim, no início, mas tudo era um teste para os corações disposto ao exercício da entrega, da confiança do Poder Supremo, que Deus está sempre na frente. Hoje, neste 11 de junho, a gente mais uma vez se rende ante seu carisma natural e só pede a Deus, a Zeus e quem mais puder que o façam crescer assim, cercado de amor, dando e recebendo o que é seu por direito. Viva Ulisses!
Hoje, na volta da escola, eu perguntei a ele se as pessoas de lá se lembraram de sua data natalícia e a resposta foi um lacônico "sim". Insisti, querendo saber professores e colegas o cumprimentaram e novamente veio o solitário "sim". Voltei á carga e indaguei sobre quantas pessoas fizeram isso e então meu neto se abriu mais um pouco:
- Muitas pessoas!
Chegando à casa da Tia Sal, esta o recebeu com um afetuoso abraço, recordando o natalício, e ele gentilmente declinou um "obrigado!". Aproveitei e, para testar a acuidade mental do menino, perguntei-lhe quantas vezes ele já repetiu aniversário, ao que ele abriu um sorriso, mostrou os dedinhos e exclamou:
- Três!

quinta-feira, 7 de junho de 2018

(off) Celebração

Hoje não é o dia do aniversário dele, que na segunda-feira, dia 11 de junho do ano da graça de Nosso Senhor de 2018 vai completar seu terceiro ano conosco. Mas nesta quinta-feira (dia 7) Ulisses comemora a efeméride na escolinha, junto aos professores e coleguinhas. E haverá maior contentamento do que celebrar com gente querida da mesma idade de que poderá manifestar, no futuro, verdadeira amizade? E meu neto parece ser desses que facilmente conquistam amigos, pela simpatia natural que demonstra, sendo agradável a todos em volta. Nas fotos que sua escola posta no Instagram, não raro ele aparece com algum destaque, mesmo que às vezes mostre o nariz escorrendo. Crescendo, ele já consegue identificar gostos e interesses e nos encanta ao revelar, agora, sua grande identificação com a música dos Beatles. Na manhã de hoje, quando fui à casa dele buscá-lo para ir à escola, ele recusou sair naquele instante porque via um videoclipe dos quatro de Liverpool cantando "Hello goodbye", apontando o dedo para "tio Paul" e perguntando quem era, ali, o "tio George". Mas seu ídolo, mesmo é o baterista do grupo, o "tio Ringo". No caminho para a escola, eu ia cantarolando o que lembrava da letra dessa música, uma das mais fáceis de gravar, depois de "Michel Mabel", mas Ulisses me corrigia:
- Não é assim!
Tá bom, respondo, repetindo uma de suas expressões mais usuais.


segunda-feira, 14 de maio de 2018

(off) "Eu quero a tia Manu!"

Nesse dia 13 de maio, quando se comemorou mais um Dia das Mães, as mulheres daqui de casa - Vovó Bia e suas filhas, Mamãe/Tia Sal e Mamãe Ananda - levaram as crianças - Pedro, Laura e Ulisses ao Teatro Castro Alves, para uma das atrações populares realizadas nas manhãs de domingo. Ora, Ulisses já conhecia o local, pois fora levado até lá, anteriormente, por sua mãe que é fã e amiga da cantora Manuela Rodrigues. Devo dizer que meu neto curtiu muito essa apresentação musical que certamente ficou gravada em sua cabecinha, tanto que, indo ver a atração de ontem com seus primos - a youtuber baiana Tia Má - o menino entendeu que o TCA era a "casa" da tia Manu e a toda hora queria saber de sua mãe:
- Cadê a tia Manu? Eu quero ouvir tia Manu!


domingo, 29 de abril de 2018

(off) Um ano depois

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e pessoas dormindo

No dia 28 de abril de 2017 - há apenas um ano! - eu escrevia aqui que meu neto Ulisses, primo de Laura e Pedro, não queria conta com o verbo, porquanto ainda não falava nem mesmo as prosaicas palavrinhas "mamãe" ou "papai". Pois bem, como tudo muda, hoje meu garoto é um falador de primeira e na escola sua professora observa esse fato com uma colega, conversa essa que eu tive a prazerosa oportunidade de ouvir. Dizia ela que Ulisses não cala a boa e por isso um dia ela pediu que meu neto fizesse a chamada na classe, e meu netinho não se fez de rogado. Assumindo a postura compatível com a função, ele gritou para a turminha:
- Miguel tá aí? Miguel já chegou?