segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Pá-pum de Nando Reis a Pedrox



Nando Reis é autor de uma música chamada Espatódeas da qual me aproveito para iniciar esta postagem mensal de meu Pedrox; ela diz: "Não sei se o mundo é bom, mas ele ficou melhor quando você chegou." Imaginem, toda vez que o olho crescer mensalmente me sinto um ridículo assumido.

Ridículo assumido porque aproveito-me agora de um inesquecível poeta português, Fernando Pessoa, para explicar esta qualidade com que me defino. Com o pseudônimo de Álvaro de Campos ele escreveu "Todas as cartas de amor são ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem ridículas. Também escrevi, no meu tempo, cartas de amor como as outras, ridículas. As cartas de amor, se há amor, têm de ser ridículas. Quem me dera o tempo, em que eu escrevia sem dar por isso, cartas de amor, ridículas. Afinal, só as criaturas que nunca escreveram cartas de amor é que são ridículas...” (recitado pela maravilhosa Maria Bethânia.)

Maria Bethânia é uma cantora maravilhosa e encantadora. Ela simplesmente relatou meus sentimentos paternais quando cantou uma música de autoria de Gilson e Joran chamada "Seu jeito de amar", cuja letra é... vejam:

Não domino mais o meu coração
Já não sou mais o dono de mim.
Perto de você tenho a sensação que estou preso e não quero fugir
Não posso conter a minha paixão, quando sinto você me tocar
Não sei controlar minhas emoções
Eu adoro o seu jeito de amar
Eu gosto demais de tudo que você faz
Em tudo eu sou seu fã
Eu gosto do seu jeito de sentir prazer
Eu gosto demais do modo que me seduz
Do jeito que me possui
Por isso é que não posso viver sem você

Amar é um verbo transitivo, ou seja, quem ama, ama algo ou alguém, só que Mário de Andrade coloca-o como intransitivo. Ele fez isto através de um livro escrito em 1927, muito moderno para sua época, que magistralmente relata a iniciação sexual de um filho pertencente à burguesia paulistana por uma prostituta alemã que além de realizar seu ofício ensina-o a amar também, porém, fazendo uso de digressões as quais este livro também o faz; o que me fez lembrar desse livro foi a idéia que o título me passou. Bem, se é intransitivo é porque você ama e acabou! Quer melhor explicação para o que eu, semanticamente, sinto pelo meu Pedrox?

Parabéns pelo seu quinto mês de vida, meu menino, meu caculezinho, meu Pedrox.

(do Papai)

2 comentários:

Pedrox disse...

Bonito o nome desse garotão. :) O mais legal é saber que esse pingo lindo de gente tem o nome igual ao meu. Será que de alguma forma eu participei - mesmo que indiretamente - para a coincidência em nossos apelidos?

Fica a pergunta e meus desejos de muita saúde e sucesso para o pequeno-grande blogueiro-mirim Pedroxinho.

Vô Chico disse...

Olá, Pedrox. benvindo! Acredito que houve apenas uma feliz coincidência, embora a explicação definitiva deva ser dada pelo pai de nosso Pedrinho, pois somente ele o chama assim, talvez influenciado por Asterix, não sei. Mas valeu a visita e seu site é muito instigante, viu?