sábado, 13 de setembro de 2008

A vez da Dinda


A família está em festa!! O príncipizinho chegou, trazendo com ele uma centena de poemas, crônicas, músicas... O tio Caio, o vovô Chico, o papai Xande, até o tio torto Gabriel levou uma música pra ele. Durante os nove meses de gestação me senti uma inútil por não conseguir colocar no papel (em forma de texto) o meu amor enorme por esse afilhado que chegou para unir ainda mais a família. Encontrei uma forma de me livrar do sentimento de "incapacidade intelectual" através dos meus pincéis, tintas e tecidos... A decoração do quarto, pensada nos mínimos detalhes, foi feita como homenagem ao bebê que estava chegando e à mamãe. Shirley, minha irmã-comadre, com mais do que vocação para maternidade, merecia que todas as etapas da gestação fossem cumpridas. Pedro teve de tudo: desde o exame de ultrassom com a sala lotada de gente querendo saber se "é menino ou menina??", até os três chás de bebê (para abarcar tantas famílias, tantos amigos...). Não podia, nem queria ficar de fora. Toda vez que Pedro entrar no quartinho azul dele, recheado de carros, ônibus e aviões, vai se lembrar do amor gigantesco que a dinda sente por ele. O primeiro presente, comprado assim que a gravidez foi confirmada, foi só o primeiro gesto de carinho. Que nossa relação seja mais do que tia/sobrinho, afilhado/madrinha. Que você possa sentir em sua tia-dinda uma segunda mãe. Que quando alguma coisa não for do seu agrado você possa dizer: "Eu vou pra casa da minha dinda!!!"
É isso, Pedro!! Sua dinda te ama e, mesmo que não seja lá muito boa para expressar, vai estar sempre por perto... nem que seja para babar mais um pouquinho (como todo mundo está fazendo!!!).

Um comentário:

caicko disse...

.
.

Não é boa para expressar?? Menina,

se você fizesse melhor que isso, eu

ia é te bater por me fazer chorar

tanto. Tenho muito orgulho em ser

teu irmão, assim como tenho certeza

de que a nossa pedrinha preciosa vai

ser o mais envaidecido dos afilhados

por ter a mais perfeita dinda!! Beijos

mil e te amo muito-muito, Nandinha.

.
.